O sobe e desce da moeda americana impacta a vida do brasileiro de diferentes formas. Por exemplo: os preços dos produtos derivados do trigo sobem, pois esse grão é importado. Contudo, alguns setores da economia conseguem lucrar com o aumento do dólar. É o caso do turismo interno.

Como já passamos da metade do ano, já está na hora de planejar as férias de verão. Dessa vez, destinos como os Estados Unidos e Europa devem ficar de fora, devido ao aumento de custo.

Isso significa que muitas pessoas viajarão pelo Brasil. Para entender mais sobre o impacto da alta do dólar no turismo interno, leia este artigo até o final.

A alta do dólar encarece a viagem

O dólar que usamos na hora de comprar uma passagem de avião ou de gastar nos shoppings estrangeiros é o Dólar Turismo. Ele costuma ser mais caro que o dólar comercial por vários motivos, mas o principal deles é que o volume de dólares comprados por uma pessoa é muito menor do que o adquirido pelas empresas em suas transações.

Além do preço da passagem de avião nas empresas estrangeiras, a valorização da moeda americana joga um balde de água fria em uma das principais motivações do brasileiro na hora de viajar para o exterior: fazer compras.

Além de reduzir o poder de compra do turista, o dólar mais caro pode surpreendê-lo na hora de pagar a conta de cartão de crédito. Afinal, a cobrança será feita com base na cotação do dia do fechamento da fatura e não do momento da compra.

Viajar pelo Brasil pode ser incrível

Sejamos realistas: o Brasil é um país com belezas naturais incomensuráveis. Cada estado tem um ponto turístico para ser desbravado pelo viajante. Nosso país reserva destinos para famílias, jovens casais e pessoas solteiras. Há uma opção para as férias de cada pessoa.

Geralmente, o brasileiro se esquece das possibilidades do turismo interno pela falta de publicidade por parte de governos e agências de viagens.

O país tem alta gastronomia

Seja um barreado em Paranaguá (PR), comida mineira no interior de Ouro Preto (MG) ou uma moqueca de siri-mole em Salvador (BA), o Brasil reserva opções vastas quando o assunto é comer bem.

Além disso, grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais possuem restaurantes finos, com chefes renomados, que oferecem o melhor da alta gastronomia.

Turismo interno oferece cenários de tirar o fôlego

Você sabia que uma das dez viagens de trem mais bonitas do mundo está no Brasil? Trata-se da viagem Curitiba-Morretes. Ela foi elogiada pelo jornal britânico The Guardian e pelo americano The Wall Street Journal.

No Tocantins, o Parque do Jalapão, com suas piscinas naturais, chama a atenção de muitas pessoas. No Maranhão, a dica de ponto turístico é o Parque dos Lençóis Maranhenses.

Além disso, os destinos mais visitados por turistas estrangeiros, como Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu e São Paulo também podem surpreender os turistas locais.

Existe, ainda, o turismo religioso, como o que leva milhões de pessoas a Aparecida, no interior de São Paulo.

Como vimos neste artigo, a alta do dólar não deve ser usada como desculpa para não ter férias incríveis. Lembre-se de que se deslocar pelo Brasil é mais fácil. O preço das passagens de avião é menor e, além disso, você pode viajar de ônibus ou carro.

Quando o assunto é turismo interno, qual é o seu lugar favorito? Deixe sua dica aqui nos comentários!

Como o turismo interno pode reduzir os impactos da alta do dólar?